Toda empresa deve treinar colaboradores para os riscos relacionados a ergonomia, sobre postura adequada, regulagem de cadeiras, levantamento e transporte de materiais, pausas obrigatórias, posição correta para uma correta "pegada" de objeto, meios de transporte de materiais, e demais conceitos.


O objetivo é conscientizar os trabalhadores da empresa da importância sobre o tema ERGONOMIA. 


Outro ponto é que nos atestados médicos ocupacionais, em todo o Brasil, e por se tratar de matéria científica e doutrinária, é apontado na maioria dos cargos a exigência de posturas inadequadas. Ora, não se trata de estabelecer NEXO DE CAUSALIDADE com o simples apontamento, até porque como dito acima, é matéria de ordem doutrinária. Para compreender melhor sobre Ergonomia se faz necessário de fato aprofundar-se no assunto. 


No caso um trabalhador, imaginem dessa forma, que venha trabalhar por anos e mais anos em uma empresa, cuja função seja administrativa, e em dado momento em função de sua estrutura e ou ritmo de trabalho, pode ocorrer problemas de saúde, que uma vez diagnosticados podem ou não estarem relacionados ao trabalho exclusivamente, ou não.


Portanto, é melhor deixar o enquadramento do INSS quanto essa questão, quando o colaborador eventualmente for encaminhado ao sistema previdenciário, até porque é na perícia que se estabelece o NEXO DE CAUSALIDADE. 


Há também o NTEP - Nexo técnico epidemiológico, que nada mais é que um BANCO DE DADOS qual estabelece relação do CNAE, com o  CBO e finalmente com o CID.


Se o enquadramento da atividade, do cargo e da doença, respectivamente acima estiver na relação do NTEP, é feito o enquadramento administrativo de causalidade, ou seja, estabelecendo a moléstia como sendo produzido ou agravada em função do trabalho e ou atividade exercida.


Por outro lado, como provar o contrário? Aí é complicado, pois em primeiro momento deve ser tratado, e após a alta médica, readaptar o trabalhador preferencialmente em outro setor, e assim sendo, com outros movimentos e ou exigências ergonômicas.